Google+ Followers

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

National Museum of Ukrainian Decorative Arts. - Национальный музей украинского декоративного искусства. - Museu Nacional de Artes Decorativas da Ucrânia.

"Misso Bohinsky's Missoforms"

In the National Museum of Ukrainian Folk Decorative Art, on July 27, 2017, an exhibition "Missforms of Leonid Boginsky", dedicated to his bright memory, was opened.

http://www.mundm.kiev.ua/ pictures

Leonid Bohinsky is one of the leaders and brightest representatives of contemporary art of ceramics. His works are distinguished by a peculiar plastic manner, a personal artistic language, which transmits a well-defined life position of the author.

http://www.mundm.kiev.ua/ pictures

Leonid Bohinsky in the 1980s became one of the founders of a new artistic tradition in Ukrainian ceramics, with the means of clay plastics reflecting the present, its contradictions and internal anxiety, pain and drama of life, love and suffering, torment, joy and tragedy of human relationships.

http://www.mundm.kiev.ua/ pictures

Traditional forms of folk ceramics from the artist are a universal means of transferring philosophical reflections and ideas. Thus, the monumental makiars carry a philosophical load, and black and white porcelain volumes are a personal story, a fantasy of the artist about life stories or philosophical considerations of being. In a dialogue between black and white, the artist transmits the dramatic collisions of life, the complexity and, at the same time, the simplicity of human existence.

http://www.mundm.kiev.ua/ pictures

The ceramic layers of Leonid Bohinsky are a true poetry in ceramics. Conditional, almost abstract painting has a dramatic load. In Ukrainian ceramics, for the first time, a solemn and restless sound was made of a high note of tragedy.

http://www.mundm.kiev.ua/ pictures

The exhibition features works by an artist from the museum's collection, as well as works handed over by the Masters family at the time of the exhibition and the works of the mother of the artist Eugenia Zaremba-Boginskaya in the style of "urban naive art."

The exhibition will be open until September 5, 2017.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.






--ua

Национальный музей украинского декоративного искусства.
«Мислеформи Леоніда Богинського»
     У Національному музеї українського народного декоративного мистецтва з 27 липня 2017 року відкрита виставка «Мислеформи Леоніда Богинського», присвяченай його світлій пам’яті.

Леонід Богинський – один із лідерів і найяскравіших представників сучасного мистецтва кераміки. Його роботи вирізняються своєрідною пластичною манерою, особистою художньою мовою, яка передає чітко означену життєву позицію автора.

     Леонід Богинський у 1980-ті роки став одним із засновників нової художньої традиції в українській кераміці, засобами глиняної пластики відображаючи сучасність, її протиріччя та внутрішній неспокій, біль і драму життя, любов і страждання, муку, радість і трагізм людських стосунків.

     Традиційні форми народної кераміки у художника є універсальним засобом передачі філософських роздумів та ідей. Так, монументальні макітри несуть філософське навантаження, а чорно-білі фарфорові об’єми – це особиста розповідь, фантазія художника з приводу життєвих історій або філософських міркувань про буття. У діалозі чорного та білого художник передає драматичні колізії життя, складність і водночас простоту людського існування.

     Керамічні пласти Леоніда Богинського – це справжня поезія в кераміці. Умовний, майже абстрактний розпис має драматичне навантаження. В українській кераміці вперше так щемно і неспокійно зазвучала висока нота трагізму.

     На виставці представлені твори митця з колекції музею, а також роботи, передані родиною Майстра на час виставки та твори матері художника Євгенії Заремби-Богинської в стилі «міського наївного мистецтва».

Виставка працюватиме до 5 вересня 2017 р.







--br via tradutor do google
Museu Nacional de Artes Decorativas da Ucrânia.

"Missoforms Misso Bohinsky"
     No Museu Nacional de Arte Decorativa Popular da Ucrânia, em 27 de julho de 2017, foi inaugurada uma exposição "Missforms of Leonid Boginsky", dedicada à sua brilhante memória.

Leonid Bohinsky é um dos líderes e representantes mais brilhantes da arte contemporânea da cerâmica. Suas obras se distinguem por uma maneira plástica peculiar, uma linguagem artística pessoal, que transmite uma posição de vida bem definida do autor.

     Leonid Bohynskyy em 1980 co-fundou uma nova tradição artística em cerâmica ucraniano, escultura em argila refletindo significa modernidade, suas contradições internas e ansiedade, dor e drama da vida, amor e sofrimento, miséria, alegria e tragédia das relações humanas.

     As formas tradicionais de cerâmica popular do artista são um meio universal de transferir reflexões e idéias filosóficas. Assim, os makiários monumentais carregam uma carga filosófica, e os volumes de porcelana preto e branco são uma história pessoal, uma fantasia do artista sobre histórias de vida ou considerações filosóficas de ser. Num diálogo entre preto e branco, o artista transmite as colisões dramáticas da vida, a complexidade e, ao mesmo tempo, a simplicidade da existência humana.

     As camadas cerâmicas de Leonid Bohinsky são uma verdadeira poesia em cerâmica. A pintura condicional quase abstrata tem uma carga dramática. Na cerâmica ucraniana, pela primeira vez, um som solene e inquieto foi feito com uma grande nota de tragédia.

     A exposição apresenta obras de artistas do acervo do museu eo Assistente família trabalho transferidas sobre a exposição e as obras do artista mãe Eugenia Zaremba Bohynskoyi de estilo "arte ingênua urbana".

A exposição estará aberta até 5 de setembro de 2017.

Holy Women - The Heroines of Faith. - Santas Mulheres – As Heroínas da Fé.

The Museum of Sant'Ana (MUS), located in Tiradentes, Minas Gerais, Brazil, celebrates in 2017 three years of opening, receiving the unpublished exhibition, "Santas Women - The Heroines of Faith". 



The exhibition gathers images of popular artists and scholars who have made an enormous contribution to Brazilian sacred art, such as Aleijadinho, Piranga Master, Friar Agostinho de Jesus and Francisco Vieira Servas. They are Brazilian images, dating from the 17th, 18th and 19th centuries, belonging to private collections and, to this day, never exposed to the public.

The Santas arrive at the MUS and join the 300 images of Sant'Ana from the permanent collection of space. "Mary, represented in the exposition in some of her devotional titles, as lovingly as Mother and Sant'Ana, is accompanied by other extraordinary women who in the exercise of the Christian faith have become strength, inspiration, devotion and example," said Angela Gutierrez, curator Of the exhibition and president of the Cultural Institute Flávio Gutierrez (ICFG), maintainer of MUS.


This rare expression also expresses, in an exciting way, the devotion to those who, in the integral experience of their faith, have bequeathed us the foundations of a Christian ethic founded on values ​​such as humility, courage, compassion and love of neighbor. The set of images represents a significant display of the originality and talent of the Brazilian artist, whose access to the public constitutes a significant effort to preserve and disseminate the country's history. "The Cultural Institute Flávio Gutierrez reaffirms the mission that has guided it since its foundation in 1998: to work obstinately in defense of Brazilian historical and cultural heritage," said Angela Gutirerrez, president of the ICFG.


Museum of Sant'Ana
Installed in the city's old Public Jail, the 300 Sant'Ana images are of Brazilian origin, from various regions of the country, erudite and popular, of the most varied styles and techniques, produced, mostly, by anonymous artists, between the centuries XVII and XIX, in diverse materials. The pieces were assembled by Angela Gutierrezao over four decades of research and research, being works that constitute a collection without similar in the country. The entire collection impresses with beauty, originality and relevance. 

Conceived in an exemplary way, based on museological and museographic criteria that dialogue with the history of the building of the Tiradentes Public Chain, the Sant'Ana Museum is a cultural space of contemplation. In the place, are the diverse representations of Ana, according to the region, the period, the material, the hand of the Santeiro and also references of the city of Tiradentes and the Chain where the Museum is installed. With total accessibility, including elevator, besides Of the exhibition rooms, the Museum counts on the space Largo de Sant'Ana, open for coexistence and suitable for reception of events.


The exhibition "Santas Women - The Heroines of Faith" can be seen from August 26 to November 6, 2017, with free admission at the Sant'Ana Museum, located at Rua Direita, 93, in the Historic Center of Tiradentes, Minas Gerais Brazil.




Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.



--br
Santas Mulheres – As Heroínas da Fé.

O Museu de Sant’Ana (MUS), localizado na cidade Tiradentes, Minas Gerais, Brasil., comemora em 2017 três anos de abertura, recebendo a exposição inédita, “Santas Mulheres – As Heroínas da Fé”. 

A mostra reúne imagens de artistas populares e eruditos que deram enorme contribuição à arte sacra brasileira, como Aleijadinho, Mestre de Piranga, Frei Agostinho de Jesus e Francisco Vieira Servas. São imagens brasileiras, datadas dos séculos XVII, XVIII e XIX, pertencentes a coleções privadas e, até hoje, nunca expostas ao público. 

As Santas chegam ao MUS e se juntam às 300 imagens de Sant’Ana do acervo permanente do espaço. “Maria, representada na exposição em alguns dos seus títulos devocionais, tão amorosamente Mãe quanto Sant’Ana, se faz acompanhar de outras mulheres extraordinárias que no exercício da fé cristã se tornaram força, inspiração, devoção e exemplo”, destaca Angela Gutierrez, curadora da exposição e presidente do Instituto Cultural Flávio Gutierrez (ICFG), mantenedor do MUS.

Essa rara mostra expressa, ainda, de forma emocionante, a devoção aos que na vivência integral de sua fé, nos legaram os fundamentos de uma ética cristã fundada em valores como a humildade, a coragem, a compaixão e o amor ao próximo.  

O conjunto de imagens representa uma mostra significativa da originalidade e do talento do artista brasileiro, cujo acesso ao público constitui significativo esforço de preservação e divulgação da história do país. “O Instituto Cultural Flávio Gutierrez reafirma, assim, a missão que o orienta desde a sua fundação, em 1998: trabalhar, de forma obstinada, em defesa do patrimônio histórico e cultural brasileiro”, afirma Angela Gutirerrez, presidente do ICFG.

Museu de Sant’Ana
Instalado na antiga Cadeia Pública da cidade, as 300 imagens de Sant’Ana são de origem brasileira, de diversas regiões do país, eruditas e populares, dos mais variados estilos e técnicas, produzidas, em sua maioria, por artistas anônimos, entre os séculos XVII e XIX, em materiais diversos. As peças foram reunidas por Angela Gutierrezao longo de quatro décadas de buscas e pesquisas, sendo obras que constituem um acervo sem similar no país. 

Toda o acervo impressiona pela beleza, originalidade e relevância. Concebido de forma exemplar, a partir de critérios museológicos e museográficos que dialogam com a própria história do prédio da Cadeia Pública de Tiradentes, o Museu de Sant’Ana é espaço cultural de contemplação. No local, estão as diversas representações de Ana, de acordo com a região, o período, o material, a mão do Santeiro e também referências da cidade de Tiradentes e da Cadeia onde o Museu está instalado.Com total acessibilidade, incluindo elevador, além das salas de exposição, o Museu conta com o espaço Largo de Sant’Ana, aberto para convivência e adequado para recepção de eventos.

A exposição “Santas Mulheres – As Heroínas da Fé” pode ser vista de 26 de agosto a 6 de novembro de 2017, com entrada gratuita, no Museu de Sant`Ana, localizado à Rua Direita, 93, no Centro Histórico na cidade Tiradentes, Minas Gerais, Brasil.

Film about Guarani Indians Kaiowá premieres at the Cinema do Dragão - Fundação Joaquim Nabuco. - Filme sobre índios Guarani Kaiowá estreia no Cinema do Dragão – Fundação Joaquim Nabuco.

Best film by the popular jury of the Brasilia Festival, Martírio is a documentary by Vincent Carelli (Corumbiara director), Ernesto de Carvalho and Tita, produced by the non-governmental organization Video na Aldeias. 




The film narrates the trajectory of resistance and struggle of the Guarani Kaiowá people in Brazil, tracing a historical panorama of the process of genocide that has been imputed to the indigenous population since the days of empire until the present day is one of the premieres of the 186th week of programming Of the Dragon Cinema - Fundação Joaquim Nabuco. (Photo: Reproduction)

Only Brazilian representative in the official competition of the Berlin Festival, Joaquim is the newest film of the Pernambuco filmmaker Marcelo Gomes (of Cinema Aspirinas and Urubus). The film follows the previous history of Joaquim José da Silva Xavier, a figure who later became the martyr of Minas Gerais' inconfidence known by the nickname of Tiradentes. The session will be followed by a debate with director Marcelo Gomes, as well as the protagonists Júlio Machado and Isabel Zuaá.

Martírio (Brazil, 2017) - Premiere

Direction: Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho and Tita / 162 minutes / 12 years

An analysis of the violence suffered by the Guarani Kaiowá group, one of the largest indigenous populations in Brazil today, inhabiting the Brazilian central-western lands, constantly conflicting with the forces of repression and oppression organized by landowners, ranchers And local farmers, who wish to exterminate the Indians and take the land for themselves.

By Joanice Sampaio










Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.




--br
Filme sobre índios Guarani Kaiowá estreia no Cinema do Dragão – Fundação Joaquim Nabuco.

Melhor filme pelo júri popular do Festival de Brasília, Martírio é um documentário de Vincent Carelli (diretor de Corumbiara), Ernesto de Carvalho e Tita, produzido pela organização não governamental Vídeo nas Aldeias. O filme narra a trajetória de resistência e luta dos povos Guarani Kaiowá no Brasil, traçando um panorama histórico do processo de genocídio que vem sendo imputado à população indígena desde os tempos de império até os dias de hoje é uma das estreias da 186ª semana de programação do Cinema do Dragão – Fundação Joaquim Nabuco. (Foto: Reprodução)

Único representante brasileiro na competição oficial do Festival de Berlim, Joaquim é o mais novo filme do cineasta pernambucano Marcelo Gomes (de Cinema Aspirinas e Urubus). O longa acompanha a história pregressa de Joaquim José da Silva Xavier, figura que mais tarde se tornaria o mártir da inconfidência mineira conhecido pela alcunha de Tiradentes. A sessão será seguida de debate com o diretor Marcelo Gomes, além dos protagonistas Júlio Machado e Isabel Zuaá.


Martírio (Brasil, 2017) – Estreia
Direção: Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho e Tita / 162 minutos / 12 anos
Sinopse: Uma análise da violência sofrida pelo grupo Guarani Kaiowá, uma das maiores populações indígenas do Brasil nos dias de hoje e que habita as terras do centro-oeste brasileiro, entrando constantemente em conflito com as forças de repressão e opressão organizadas pelos latifundiários, pecuaristas e fazendeiros locais, que desejam exterminar os índios e tomar as terras para si.

by Joanice Sampaio






terça-feira, 22 de agosto de 2017

Phillip and Patricia Frost Museum of Science. - Museu de Ciência Phillip e Patricia Frost,

8 Cool Facts About Our Resident Stingrays

FROST SCIENCE-8 copy



Any word prefaced by “sting” can sound a bit, well, intimidating. But stingrays are typically kind and gentle when interacting with people. A great way to learn about these graceful creatures is to visit our Florida Bay Touch Experience in the Aquarium, where you’ll find them gliding through an easy-to-reach pool that allows visitors to get hands-on with various species of this cool cartilaginous fish.

Ready to dive deeper into the mysterious ocean dweller roaming our touch pool waters? Here are eight facts about Frost Science’s friendly rays.

We have 15 stingrays on display in our Bay Touch exhibit, comprised of three different species. You’ll find seven cownose stingrays, four yellow rays and four Atlantic rays.

Our cownose rays were born in another aquarium facility while our yellow stingrays were collected locally by our husbandry staff. The Atlantic rays? They’re actually west coast Floridians.

We feed our stingrays twice a day. In nature, their meals would’ve largely been made up of invertebrates and bivalves. We stick to their diet as close as possible by feeding them a savory mix of clam, shrimp, squid and several types of fish. Dinner party with the rays, anyone?

People take vitamins to give their diet a healthy boost. Our stingrays do, too.

Like all the organisms under our care, we visually check their health and behavior daily to make sure they’re in good shape. If anything’s amiss, our staff veterinarian will step in and provide direct veterinary care. This could include medicines such as antibiotics or even surgical treatments.

Stingrays like their water warm—our exhibit has complex life support systems that help keep the water clean and at an ideal temp of roughly 77 degrees Fahrenheit.

Our husbandry staff cleans the exhibit daily, removing waste from the sand and cleaning the acrylic windows. Twice a week, a staff member will swim through the exhibit while cleaning walls and other components—a clean pool makes for a better experience for both you and our rays!

True to their name, stingrays have barbed stingers at the base of their tail that they use for defense. Here at the museum, we employ a commonly-used process called “de-barbing” to trim the sharp tip of the barb. This makes our rays safe for you to interact with and touch. However, the shortened barb will grow back over time—that makes it necessary to repeat the process every couple of months.

Our stingray touch encounter was created to encourage curiosity and exploration around these majestic creatures. Our hope is that it will inspire an interest in conserving the species, and the ocean as a whole.

By Frost Science





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google
Museu de Ciência Phillip e Patricia Frost

8 Fatos legais sobre nossos Stingrays residentes


FROST SCIENCE-8 copy
Qualquer palavra preconizada por "picada" pode soar um pouco, bem, intimidante. Mas os arrays são tipicamente gentis e gentis quando interagem com pessoas. Uma ótima maneira de aprender sobre essas criaturas graciosas é visitar nossa Florida Bay Touch Experience no Aquarium, onde você vai encontrá-los deslizando através de uma piscina fácil de alcançar que permite que os visitantes se entrem com várias espécies deste bem Peixes cartilaginosos.

Pronto para mergulhar mais profundamente no misterioso morador do oceano que roaming nossas águas da piscina de toque? Aqui estão oito fatos sobre os raios amigáveis ​​da Frost Science.

Temos 15 arraias em exibição na nossa exposição Bay Touch, composta por três espécies diferentes. Você encontrará sete arrays cownose, quatro raios amarelos e quatro raios do Atlântico.

Nossos célebres raios nasceram em outra instalação de aquário, enquanto nossas arvores amarelas foram coletadas localmente pelo nosso pessoal de criação. Os raios atlânticos? Na verdade, são floridianos da costa oeste.

Nós alimentamos nossos stingrays duas vezes por dia. Na natureza, suas refeições seriam amplamente constituídas por invertebrados e bivalves. Nós ficamos com a dieta o mais perto possível, alimentando-os com uma mistura saborosa de moluscos, camarão, lulas e vários tipos de peixes. Jantar com os raios, qualquer um?

As pessoas tomam vitaminas para dar à sua dieta um impulso saudável. Nossos stingrays também fazem.

Como todos os organismos sob nosso cuidado, verificamos visualmente sua saúde e comportamento diariamente para garantir que eles estejam em boa forma. Se alguma coisa acontecer, o nosso veterinário irá intervir e fornecer cuidados veterinários diretos. Isso poderia incluir medicamentos como antibióticos ou mesmo tratamentos cirúrgicos.

Stingrays como a sua água aquecida - nossa exposição possui sistemas complexos de suporte de vida que ajudam a manter a água limpa e a uma temperatura ideal de aproximadamente 77 graus Fahrenheit.

Nosso pessoal de criação limpa a exposição diariamente, retirando o lixo da areia e limpando as janelas acrílicas. Duas vezes por semana, um membro da equipe vai nadar através da exposição enquanto limpa paredes e outros componentes - uma piscina limpa faz uma melhor experiência tanto para você quanto para nossos raios!

Fiel ao seu nome, as arraias têm ferrões na base da cauda que usam para a defesa. Aqui no museu, empregamos um processo de uso comum chamado "desbarbar" para cortar a ponta afiada da lâmina. Isso torna nossos raios seguros para você interagir e tocar. No entanto, a barbatana encurtada irá crescer ao longo do tempo - o que torna necessário repetir o processo a cada dois meses.

Nosso encontro com toque de arraia foi criado para incentivar a curiosidade e a exploração em torno dessas criaturas majestosas. Nossa esperança é que ele inspire um interesse em conservar as espécies e o oceano como um todo.


Por Frost Science


Mexican cultural richness on display in the Vatican Museums. - Riqueza cultural mexicana em exposição nos Museus vaticanos. - Riqueza cultural mexicana en exposición en los Museos vaticanos.

Vatican City (RV) - Natural caves, cascades and mangrove forests, a wild and exuberant nature, and a wealth of traditions and culture.



It is what the Mexican state of Sinaloa offers, mixed with genuine colors and flavors, a cultural richness perpetuated from generation to generation.

Local authorities, in collaboration with the Mexican Embassy to the Holy See and the Governorate, wanted to offer this patrimony to the thousands of visitors who daily walk the corridors of the Vatican Museums.

It is the project "Hand of the world in the Vatican", aimed at promoting precisely the rich local traditions of this Mexican state.

Among others, there are objects of handicrafts produced by local artists, accompanied by gastronomic manifestations and folk music.

Very significant, in particular, the show formed by 40 images that illustrate the history and the natural attractions of Sinaloa.

The exhibition, scheduled to end initially in August, was extended until September 21, the 25th anniversary of the reestablishment of diplomatic relations between Mexico and the Holy See.

Inaugurated by Cardinal Giuseppe Bertello, President of the Governorate and Nuncio in Mexico from 2000 to 2007 - the itinerant exhibition has already gone through the Louvre Museum in Paris and the Metropolitan Museum in New York.

It is not the first time that Mexico organizes exhibitions and initiatives in collaboration with the various agencies of the State of the Vatican City.

Celebrated is the "Christmas in the Vatican" event, which every year sees the Vatican Museums and the Paul VI Hall being embellished by Christmas trees and artistic cribs from the Central American country.

Every year a different Mexican state - starting with Jalisco, with a strong Catholic presence - offers the best of local traditions in the form of art, crafts, culture and folklore.

The Christmas Initiative was held for the first time in 2007 to celebrate the 15th anniversary of diplomatic relations between Mexico and the Holy See.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.












--pt
Riqueza cultural mexicana em exposição nos Museus vaticanos.

Cidade do Vaticano (RV) – Grutas naturais, cascatas e florestas de manguezais, uma natureza selvagem e exuberante, além de uma riqueza de tradições e de cultura.

É o que oferece o Estado mexicano de Sinaloa, misturado a cores e sabores genuínos, uma riqueza cultural perpetuada de geração em geração.

As autoridades locais, em colaboração com a Embaixada do México junto à Santa Sé e ao Governatorato, quiseram oferecer este patrimônio aos milhares de visitantes que diariamente percorrem os corredores dos Museus Vaticanos.

Trata-se do projeto “Mão do mundo no Vaticano”, voltado a promover justamente as ricas tradições locais deste Estado mexicano.

Estão expostos, entre outros, objetos de artesanato produzidos por artistas locais, acompanhados por manifestações gastronômicas e música folclórica.

Muito significativa, em particular, a mostra formada por 40 imagens que ilustram a história e as atrações naturais de Sinaloa.

A exposição, prevista para terminar inicialmente em agosto, foi prorrogada até 21 de setembro, dia em que se celebra os 25 anos de restabelecimento das relações diplomáticas entre México e Santa Sé.

Inaugurada pelo Cardeal Giuseppe Bertello, Presidente do Governatorato e Núncio no México de 2000 a 2007 – a mostra itinerante já passou pelo Museu do Louvre em Paris e pelo Metropolitan Museum, de nova Iorque.

Não é a primeira vez que o México organiza mostras e iniciativas em colaboração com os vários organismos do Estado da Cidade do Vaticano.

Célebre é a manifestação “Natal no Vaticano”, que a cada ano vê os Museus Vaticanos e a Sala Paulo VI serem embelezados por árvores de natal e presépios artísticos provenientes do país centro-americano.

A cada ano um Estado mexicano diferente – a começar por Jalisco, com forte presença católica – oferece o melhor das tradições locais na forma de arte, trabalhos artesanais, cultura e folclore.

A iniciativa no Natal foi realizada pela primeira vez em 2007 para celebrar o 15º aniversário das relações diplomáticas entre México e Santa Sé.





--es via tradutor do google

Riqueza cultural mexicana en exposición en los Museos vaticanos.

Ciudad del Vaticano (RV) - Cuevas naturales, cascadas y bosques de manglares, una naturaleza salvaje y exuberante, además de una riqueza de tradiciones y de cultura.

Es lo que ofrece el Estado mexicano de Sinaloa, mezclado en colores y sabores genuinos, una riqueza cultural perpetuada de generación en generación.

Las autoridades locales, en colaboración con la Embajada de México ante la Santa Sede y el Gobernador, quisieron ofrecer este patrimonio a los miles de visitantes que diariamente recorren los corredores de los Museos Vaticanos.
Se trata del proyecto "Mano del mundo en el Vaticano", orientado a promover justamente las ricas tradiciones locales de este Estado mexicano.

Están expuestos, entre otros, objetos de artesanía producidos por artistas locales, acompañados por manifestaciones gastronómicas y música folclórica.
Muy significativa, en particular, la muestra formada por 40 imágenes que ilustran la historia y las atracciones naturales de Sinaloa.

La exposición, prevista para terminar inicialmente en agosto, fue prorrogada hasta el 21 de septiembre, día en que se celebra los 25 años de restablecimiento de las relaciones diplomáticas entre México y Santa Sede.

Inaugurada por el Cardenal Giuseppe Bertello, Presidente del Gobernador y Nuncio en México de 2000 a 2007, la muestra itinerante ya pasó por el Museo del Louvre en París y el Metropolitan Museum de Nueva York.

No es la primera vez que México organiza muestras e iniciativas en colaboración con los diversos organismos del Estado de la Ciudad del Vaticano.

Célebre es la manifestación "Navidad en el Vaticano", que cada año ve los Museos Vaticanos y la Sala Pablo VI ser embellecidos por árboles de Navidad y pesebres artísticos provenientes del país centroamericano.

Cada año un Estado mexicano diferente-a comenzar por Jalisco, con fuerte presencia católica- ofrece lo mejor de las tradiciones locales en la forma de arte, trabajos artesanales, cultura y folclore.

La iniciativa en Navidad se celebró por primera vez en 2007 para celebrar el 15 aniversario de las relaciones diplomáticas entre México y la Santa Sede.


segunda-feira, 21 de agosto de 2017

El Museo Art Nouveau y Art Déco.

El Museo Art Nouveau y Art Déco es en esencia un museo de artes decorativas que propone un recorrido temporal que abarca desde las últimas décadas del siglo XIX hasta la II Guerra Mundial. Este periodo de poco más de sesenta años es sin duda uno de los más fecundos de las artes aplicadas. El grueso de las obras que se pueden ver en el museo son objetos utilitarios concebidos bajo unos cuidados criterios estéticos. Esta dualidad, que los hace muy interesantes como documento de una época y de una manera de vivir, hace que muchos de ellos no hayan llegado hasta nuestros días ya que su uso ha hecho que no hayan perdurado en el tiempo.


A lo largo del siglo XIX las artes decorativas quedaron ancladas en el pasado con una repetición sistemática de modelos y con unos acabados cada vez de peor calidad por la ausencia del carácter artesanal. La máquina había impuesto unos sistemas de producción que primaban la cantidad sobre la calidad. Esta situación generó una reacción, los artistas del Arts & Crafts buscaron nuevos modelos de expresión y formas de creatividad, abogaron por la equiparación de las artes decorativas y las bellas artes prestando una especial atención a la calidad del detalle y a los acabados exquisitos. Esa inquietud estética fue el germen de un nuevo estilo, el Art Nouveau.
A través de sus diecinueve colecciones el recorrido por sus salas muestra al visitante la producción de los talleres europeos de artes decorativas de los periodos Nouveau y Déco. Joyas de Masriera o Faberge, vidrios iridiscentes de los talleres Loetz, Kralik, Pallme König o de la escuela de Nancy con piezas de Émile Gallé, los Hermanos Daum o Paul Nicolas. Muebles de Homar, Majorelle, Busquets. Porcelanas de Rosenthal, Royal Copenhagen, Mariano Benlliure, Gustave Guetant o Zuloaga. Los fondos que atesora la Casa Lis muestran la trayectoria de autores tan importantes como Émile Gallé con sus vidrios de capas superpuestas y sus exquisitos muebles o la evolución de Rene Lalique que partiendo de la joyería Art Nouveau orienta su creatividad al diseño del vidrio en las décadas posteriores.

Destaca la colección de muñecas de porcelana francesas del s. XIX, que ha sido definida por los expertos como la mejor colección expuesta al público a nivel mundial, o la muestra de criselefantinas de Demetre Chiparus o Ferdinand Preiss, pequeñas esculturas que combinan el metal para las vestimentas y el marfil para las partes desnudas del cuerpo como la cara o las manos y que se han convertido en icono del Art Déco.






Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.