Google+ Followers

domingo, 13 de agosto de 2017

Ask the Expert: Hirshhorn’s Melissa Chiu. --- Pergunte a perita: Melissa Chiu de Hirshhorn.

The envelope-pushing museum
director’s take on art, travel and her adopted hometown.





image 1
Hirshhorn Museum and Sculpture Garden 
(©Robert Lyle Bolton/Flickr, Creative Commons)


It’s hard to miss Hirshhorn Museum and Sculpture Garden. Gordon Bunshaft’s modernist doughnut-shaped design stands out from the Smithsonian’s other traditional buildings along the National Mall. In front of the Hirshhorn, another attention-grabbing sight: a smiling boulder crushing a 1992 Dodge Spirit, Jimmie Durham’s whimsical 11,000-pound sculpture.


image 2
Hirshhorn Museum and Sculpture Garden 
(Courtesy Smithsonian)



image 3
Jimmie Durham’s “Still Life with Spirit and Xitle” 
(2007. August 6, 2016. 
Courtesy Hirshhorn Museum and 
Sculpture Garden. Photo by Cathy Carver)

Credit for such head-turning acquisitions? Melissa Chiu, the museum’s executive director, who took the helm of the storied Smithsonian site in 2014. Since then, the Australian native has painted with a broad brush, bringing crowd-pleasing pieces like Durham’s but also Instagrammable immersive exhibitions by Icelandic performance artist Ragnar Kjartansson and Japanese pop artist Yayoi Kusama.

Chiu recently spoke with us about her job—arguably one of the coolest in D.C.— how she plans to top recent shows and what she loves about her adopted city.

image 4
Melissa Chiu (©Tim Coburn)

What’s the best part about your job?

It’s my great privilege to be able to communicate through exhibitions, to create programs that give voice to the most innovative and compelling artists from around the world.

The Hirshhorn recently showed works by Ragnar Kjartansson and Yayoi Kusama, which were huge hits. How are you going to top those exhibitions?

I encourage everyone not to miss our exhibitions by Ai Weiwei, Yoko Ono, Markus Lüpertz and Nicolas Party. They are very different artists, but each asks profound questions about our history and culture. After that, just wait and see!


image 5
Queensland Art Gallery, Brisbane, Australia. 
Qagoma Photography. (©Yayoi Kusama)

Khartansson’s and Kusama’s works seem to show you have a playful spirit. How do you decide which artists to exhibit?

We’re always interested in artists who have something to say about the times in which we live. Sometimes this can have a playful approach—sometimes it has an entirely different sentiment.

Who’s your favorite artist, living or dead, and why?

I actually don’t have favorites. With each artist I encounter, I look for an individuality that pushes them to create with such conviction.

How would you describe D.C.’s art scene?

It’s very much an art scene defined by museums, especially national art museums—the National Gallery of Art—East and West buildings—the Smithsonian American Art Museum, National Portrait Gallery, and of course the Hirshhorn, the national museum of modern art. But it also has this fascinating creative pulse that’s reflected in artist projects throughout the city.

image 6
Alexander Calder exhibit, East Building 
(Courtesy National Gallery of Art)

As an Australian, what do you love about your adopted city, D.C.?

It’s a great place to live. The people are brilliant, and in the spring, there is no city more beautiful.


image 7
Hillwood Estate, Museums & Gardens, south portico 
(©Maxwell MacKenzie 2014)

Can you recommend an off-the-beaten-path spot for great art in the city?

Transformer on P St. NW is an artist-run space, very much like where I started in Sydney. We collaborated with them to present a night of performance art on the Hirshhorn’s plaza, which was magical. Their gallery continues to surprise and delight.

Where are you going next, and what are you going to do there?

I’m going to Kassel, Germany, to see Documenta, a contemporary art exhibition that happens every five years and features experimental art.

If you could wake up anywhere tomorrow, where would you be?

Chiang Mai, Thailand







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.











--br via tradutor do google
Pergunte a perita: Melissa Chiu de Hirshhorn.

A direção do diretor do museu que envolve o envelope em arte, viagens e sua cidade adotada.

Imagem 1
Hirshhorn Museum and Sculpture Garden (© Robert Lyle Bolton / Flickr, Creative Commons)

É difícil perder Hirshhorn Museum e Sculpture Garden. O design modernista de Gordon Bunshaft em forma de donut destaca-se dos outros edifícios tradicionais do Smithsonian ao longo do National Mall. Em frente ao Hirshhorn, outra visão atraente: um pedregulho sorridente que esmaga um Dodge Spirit de 1992, a escultura lunática de 11,000 libras de Jimmie Durham.

Imagem 2
Hirshhorn Museu e Escultura Jardim (Cortesia Smithsonian)

Imagem 3
"Still Life with Spirit and Xitle" de Jimmie Durham (2007. 6 de agosto de 2016. Cortesia do Museu Hirshhorn e Jardim de Escultura. Foto de Cathy Carver)

Crédito para tais aquisições de liderança? Melissa Chiu, diretora executiva do museu, que assumiu o comando do site Smithsonian em 2014. Desde então, o nativo australiano pintou com uma ampla escova, trazendo peças agradáveis ​​para a multidão como as exposições imersivas de Durham, mas também Instagrammable, do artista de performance islandês Ragnar Kjartansson e artista pop japonês Yayoi Kusama.

Chiu recentemente falou conosco sobre seu trabalho - indiscutivelmente um dos melhores em D.C. - como ela pretende superar os shows recentes e o que ela ama sobre sua cidade adotada.

Imagem 4
Melissa Chiu (© Tim Coburn)

Qual a melhor parte do seu trabalho?

É meu grande privilégio poder comunicar através de exposições, criar programas que dê voz aos artistas mais inovadores e atraentes de todo o mundo.

O Hirshhorn recentemente mostrou obras de Ragnar Kjartansson e Yayoi Kusama, que foram grandes sucessos. Como você vai abordar essas exposições?

Incentive todos a não perder as nossas exposições por Ai Weiwei, Yoko Ono, Markus Lüpertz e Nicolas Party. Eles são artistas muito diferentes, mas cada um faz perguntas profundas sobre nossa história e cultura. Depois disso, espere e veja!


Imagem 5
Queensland Art Gallery, Brisbane, Austrália. Fotografia Qagoma. (© Yayoi Kusama)

As obras de Khartansson e Kusama parecem mostrar que você tem um espírito brincalhão. Como você decide quais artistas exibir?

Estamos sempre interessados ​​em artistas que têm algo a dizer sobre os tempos em que vivemos. Às vezes, isso pode ter uma abordagem divertida - às vezes tem um sentimento completamente diferente.

Quem é seu artista favorito, vivo ou morto, e por quê?

Na verdade, não tenho favoritos. Com cada artista que encontro, procuro uma individualidade que os impele a criar com tal convicção.

Como você descreveria a cena artística de D.C.?

É muito uma cena de arte definida pelos museus, especialmente os museus de arte nacionais - a Galeria Nacional de Arte - Edifícios do Leste e Oeste - o Smithsonian American Art Museum, a National Portrait Gallery e, claro, o Hirshhorn, o museu nacional da arte moderna. Mas também tem esse fascinante pulso criativo que se reflete em projetos de artistas em toda a cidade.

Imagem 6
Exposição de Alexander Calder, Edifício do Leste (Galeria de Arte Nacional de Cortesia)

Como australiano, o que você ama sobre sua cidade adotada, D.C.?

É um ótimo lugar para se viver. As pessoas são brilhantes, e na primavera, não há cidade mais bonita.

Imagem 7
Hillwood Estate, Museus e Jardins, pórtico sul (© Maxwell MacKenzie 2014)

Você pode recomendar um local fora do caminho para uma ótima arte na cidade?

Transformer on P St. NW é um espaço de artistas, muito parecido com o que eu comecei em Sydney. Colaboramos com eles para apresentar uma noite de arte de performance na praça de Hirshhorn, que foi mágica. Sua galeria continua a surpreender e deleitar.

Onde você está indo em seguida, e o que você vai fazer lá?

Eu vou para a Kassel, na Alemanha, para ver Documenta, uma exposição de arte contemporânea que acontece a cada cinco anos e apresenta arte experimental.

Se você pudesse acordar em qualquer lugar amanhã, onde você seria?

Chiang Mai, Tailândia

Nenhum comentário:

Postar um comentário