Google+ Followers

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Museum Of London Imagines What Future London Might Look Like. - Museum Of London Imagina como poderia ser o futuro de Londres.

How do we improve urban living standards? What ideas have worked in other cities and are they relevant to London? What does the future hold for everyone living in this city? These are meaty questions and a massive topic that The City is Ours, a free exhibition at Museum of London, attempts to tackle.


Visitors can submit their own views for improving London.

The largest section of the show covers the big questions and examples from across the world. We see how a district in Leipzig now lies deserted due to a factory closure, and how a half-built tower in Caracas has been inhabited by squatters and turned into a vertical slum.


There are interactive displays aplenty.

Migrants tell their stories of settling into new areas though videos, and there are interactive elements such as a pinball machine with larger holes representing large cities, showing how they have a greater pull on people who tend to gravitate to them for both living and working.

A virtual reality headset which places visitors at the very edge of a skyscraper in Hong Kong is particularly impressive, creating a vertiginous experience that has us feeling weak at the knees.


Visitors engaging with the elements of the show.


Biting off such a large subject means many issues are touched upon but not fully explored, raising key questions but not offering solutions or digging deeper into the details. 

A reference is made to community energy and how excess energy from solar panels may be transferred to nearby businesses and houses. But how does this work? Are there any examples from around the world? When is this likely to happen? This show constantly leaves us wanting more. It may be quite effective at engaging children but for adults it feels a bit lightweight.

Thankfully, a second section does show real world examples of urban innovations including underground bike storage in Tokyo, paving slabs that generate energy when stepped on, and hole in the wall computers which children in impoverished areas can access on the street.


Step on these slabs to activate the lights by generating energy

However, the two sections of this exhibition don't seem to quite match up and it does feel like two related, but separate, shows. Even with these flaws, it is still full of interesting insights into current and future life in an urban environment.

The City is Ours is on at Museum of London until 2 January 2018. Entrance is free.







Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.









--br via tradutor do google
Museum Of London Imagina como poderia ser o futuro de Londres.

Como melhoramos o padrão de vida urbana? Que idéias já funcionaram em outras cidades e são relevantes para Londres? O que o futuro espera para todos os que vivem nesta cidade? Estas são questões carnudas e um tópico maciço que The City is Our, uma exposição gratuita no Museum of London, tenta enfrentar.

A maior seção do show cobre as grandes questões e exemplos de todo o mundo. Nós vemos como um distrito em Leipzig agora está deserto devido a um fechamento da fábrica e como uma torre semi construída em Caracas foi habitada por invasores e transformada em uma favela vertical.

Os migrantes contam suas histórias de se estabelecerem em novas áreas, apesar de vídeos, e há elementos interativos, como uma máquina de pinball com furos maiores que representam grandes cidades, mostrando como eles têm uma maior atração em pessoas que tendem a gravitar para eles tanto para viver e trabalhar.

Um fone de ouvido de realidade virtual que coloca os visitantes na extremidade de um arranha-céu em Hong Kong é particularmente impressionante, criando uma experiência vertiginosa que nos sentem fracos nos joelhos.

Borrar um assunto tão grande significa que muitos problemas são abordados, mas não totalmente explorados, levantando questões-chave, mas não oferecendo soluções ou cavando mais fundo nos detalhes.

Uma referência é feita para a energia da comunidade e como o excesso de energia dos painéis solares pode ser transferido para empresas e casas vizinhas. Mas como isso funciona? Existem exemplos de todo o mundo? Quando isso provavelmente acontecerá? Este show constantemente nos deixa querendo mais. Pode ser bastante eficaz para atrair crianças, mas para adultos é um pouco leve.

Felizmente, uma segunda seção mostra exemplos do mundo real de inovações urbanas, incluindo o armazenamento de bicicletas subterrâneas em Tóquio, lajes de pavimentação que geram energia quando pisados ​​e buracos nos computadores de parede que as crianças em áreas empobrecidas podem acessar na rua.

No entanto, as duas seções desta exibição não parecem bastante coincidentes e sentem dois shows relacionados, mas separados. Mesmo com essas falhas, ainda está cheia de informações interessantes sobre a vida atual e futura em um ambiente urbano.

A Cidade é Nossa é no Museu de Londres até 2 de janeiro de 2018. A entrada é gratuita.




Everything you ever wanted to know about the Rosetta Stone. - Tudo o que você sempre quis saber sobre a Rosetta Stone

You've probably heard of the Rosetta Stone. It's one of the most famous objects in the British Museum, but what actually is it? Take a closer look...


The Rosetta Stone on display in Room 4.

What is the Rosetta Stone?

The Rosetta Stone and a reconstruction of how it would have originally looked. Illustration by Claire Thorne.

The Rosetta Stone is one of the most famous objects in the British Museum. But what is it?

The Stone is a broken part of a bigger stone slab. It has a message carved into it, written in three types of writing (called scripts). It was an important clue that helped experts learn to read Egyptian hieroglyphs (a writing system that used pictures as signs).

Why is it important?

The writing on the Stone is an official message, called a decree, about the king (Ptolemy V, r. 204–181 BC). The decree was copied on to large stone slabs called stelae, which were put in every temple in Egypt. It says that the priests of a temple in Memphis (in Egypt) supported the king. The Rosetta Stone is one of these copies, so not particularly important in its own right.

The important thing for us is that the decree is inscribed three times, in hieroglyphs (suitable for a priestly decree), Demotic (the native Egyptian script used for daily purposes, meaning ‘language of the people’), and Ancient Greek (the language of the administration – the rulers of Egypt at this point were Greco-Macedonian after Alexander the Great’s conquest).

The Rosetta Stone was found broken and incomplete. It features 14 lines of hieroglyphic script:

Detail of the hieroglyphs, including a cartouche featuring the name Ptolemy (written right to left, along with an Egyptian honorific).

The importance of this to Egyptology is immense. When it was discovered, nobody knew how to read ancient Egyptian hieroglyphs. Because the inscriptions say the same thing in three different scripts, and scholars could still read Ancient Greek, the Rosetta Stone became a valuable key to deciphering the hieroglyphs.

Detail of the Demotic section of the text.



When was it found?

Napoleon Bonaparte campaigned in Egypt from 1798 to 1801, with the intention of dominating the East Mediterranean and threatening the British hold on India. Although accounts of the Stone’s discovery in July 1799 are now rather vague, the story most generally accepted is that it was found by accident by soldiers in Napoleon’s army. They discovered the Rosetta Stone on 15 July 1799 while digging the foundations of an addition to a fort near the town of Rashid (Rosetta) in the Nile Delta. It had apparently been built into a very old wall. The officer in charge, Pierre-François Bouchard (1771–1822), realised the importance of the discovery.

he city of Rosetta around the time the Rosetta Stone was found. Hand-coloured aquatint etching by Thomas Milton (after Luigi Mayer), 1801–1803.

On Napoleon’s defeat, the stone became the property of the British under the terms of the Treaty of Alexandria (1801) along with other antiquities that the French had found. The stone was shipped to England and arrived in Portsmouth in February 1802.

Who cracked the code?

Soon after the end of the 4th century AD, when hieroglyphs had gone out of use, the knowledge of how to read and write them disappeared. In the early years of the 19th century, scholars were able to use the Greek inscription on this stone as the key to decipher them. Thomas Young (1773–1829), an English physicist, was the first to show that some of the hieroglyphs on the Rosetta Stone wrote the sounds of a royal name, that of Ptolemy.

A letter from Thomas Young about hieroglyphs, written on 10 February 1818. The meanings he suggests for these groups are mostly correct, but he was unable to analyse how the signs conveyed their meaning, and they are little more than highly educated guesses!


The French scholar Jean-François Champollion (1790–1832) then realised that hieroglyphs recorded the sound of the Egyptian language. This laid the foundations of our knowledge of ancient Egyptian language and culture. Champollion made a crucial step in understanding ancient Egyptian writing when he pieced together the alphabet of hieroglyphs that was used to write the names of non-Egyptian rulers. He announced his discovery, which had been based on analysis of the Rosetta Stone and other texts, in a paper at the Academie des Inscriptions et Belles Lettres at Paris on Friday 27 September 1822. The audience included his English rival Thomas Young, who was also trying to decipher Egyptian hieroglyphs.


Champollion’s hieroglyphic hand.

Champollion inscribed this copy of the published paper with alphabetic hieroglyphs meaning ‘à mon ami Dubois’ (‘to my friend Dubois’). Champollion made a second crucial breakthrough in 1824, realising that the alphabetic signs were used not only for foreign names, but also for the Egyptian language and names. Together with his knowledge of the Coptic language, which derived from ancient Egyptian, this allowed him to begin reading hieroglyphic inscriptions fully.

What does the inscription actually say?

The inscription on the Rosetta Stone is a decree passed by a council of priests. It is one of a series that affirm the royal cult of the 13-year-old Ptolemy V on the first anniversary of his coronation (in 196 BC). You can read the full translation here.

In previous years the family of the Ptolemies had lost control of certain parts of the country. It had taken their armies some time to put down opposition in the Delta, and parts of southern Upper Egypt, particularly Thebes, were not yet back under the government’s control. Before the Ptolemaic era, decrees in hieroglyphs such as this were usually set up by the king. It shows how much things had changed from earlier times that the priests, the only people who had kept the knowledge of writing hieroglyphs, were now issuing such decrees. The list of the king’s good deeds done for the temples is interesting. It hints that this was a way for the pharaoh to ensure the priests’ support for the regime.

Where is it now?

After the Stone was shipped to England in February 1802, it was presented to the British Museum by George III in July of that year. The Rosetta Stone and other sculptures were placed in temporary structures in the Museum grounds because the floors were not strong enough to bear their weight! After a plea to Parliament for funds, the Trustees began building a new gallery to house these acquisitions.

The Rosetta Stone has been on display in the British Museum since 1802, with only one break. Towards the end of the First World War, in 1917, when the Museum was concerned about heavy bombing in London, they moved it to safety along with other, portable, ‘important’ objects. The iconic object spent the next two years in a station on the Postal Tube Railway 50 feet below the ground at Holborn.

Today, you can see the Rosetta Stone in Room 4 (the Egyptian Sculpture Gallery), and remotely visit it on Google Street View. You can touch a replica of it in Room 1 (the Enlightenment Gallery). You can even explore it in 3D with this scan:



















Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 
A cultura e o amor devem estar juntos.

Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.













--br via tradutor do google
Tudo o que você sempre quis saber sobre a Rosetta Stone.

Você provavelmente já ouviu falar da Rosetta Stone. É um dos objetos mais famosos do Museu Britânico, mas o que é mesmo? Olhe mais de perto...

O que é o Rosetta Stone?

A Rosetta Stone é um dos objetos mais famosos do Museu Britânico. Mas o que é isso?

A Pedra é uma parte quebrada de uma laje de pedra maior. Tem uma mensagem esculpida, escrita em três tipos de escrita (chamados scripts). Foi uma pista importante que ajudou os especialistas a aprender a ler hieróglifos egípcios (um sistema de escrita que usava fotos como sinais).

Por que isso é importante?

A escrita na Pedra é uma mensagem oficial, chamada de decreto, sobre o rei (Ptolemy V, r 204-181 aC). O decreto foi copiado para grandes lajes de pedra chamadas estelas, que foram colocadas em todos os templos do Egito. Diz que os sacerdotes de um templo em Memphis (no Egito) apoiaram o rei. A Rosetta Stone é uma dessas cópias, portanto não é particularmente importante por conta própria.

O importante para nós é que o decreto é inscrito três vezes, nos hieróglifos (apropriados para um decreto sacerdotal), Demótica (o script egípcio nativo usado para fins diários, que significa "linguagem do povo") e grego antigo (o idioma Da administração - os governantes do Egito neste ponto eram greco-macedônio após a conquista de Alexandre, o Grande).

A Rosetta Stone foi encontrada quebrada e incompleta. Possui 14 linhas de roteamento hieroglyphic:

A importância disso para a egiptologia é imensa. Quando foi descoberto, ninguém sabia como ler hieróglifos egípcios antigos. Porque as inscrições dizem o mesmo em três scripts diferentes, e os estudiosos ainda podem ler o grego antigo, a pedra de Rosetta tornou-se uma chave valiosa para decifrar os hieróglifos.

Quando foi encontrado?

Napoleão Bonaparte fez campanha no Egito de 1798 a 1801, com a intenção de dominar o Mediterrâneo Oriental e ameaçando a prisão britânica na Índia. Embora as contas da descoberta da pedra em julho de 1799 sejam agora bastante vagas, a história mais geralmente aceita é que ela foi encontrada por acidente por soldados no exército de Napoleão. Eles descobriram a Rosetta Stone em 15 de julho de 1799, enquanto cavavam os fundamentos de uma adição a um forte perto da cidade de Rashid (Rosetta) no Delta do Nilo. Aparentemente foi construído em uma parede muito antiga. O responsável, Pierre-François Bouchard (1771-1822), percebeu a importância da descoberta.

Na derrota de Napoleão, a pedra tornou-se propriedade dos britânicos sob os termos do Tratado de Alexandria (1801), juntamente com outras antiguidades que os franceses encontraram. A pedra foi enviada para a Inglaterra e chegou em Portsmouth em fevereiro de 1802.

Quem criou o código?

Logo após o final do século IV dC, quando os hieróglifos ficaram fora de uso, o conhecimento de como ler e escrever desapareceu. Nos primeiros anos do século 19, os estudiosos puderam usar a inscrição grega nesta pedra como a chave para decifrá-los. Thomas Young (1773-1829), um físico inglês, foi o primeiro a mostrar que alguns dos hieróglifos da Pedra de Rosetta escreveram os sons de um nome real, o de Ptolomeu.

O estudioso francês Jean-François Champollion (1790-1832) então percebeu que os hieróglifos gravavam o som da língua egípcia. Isso estabeleceu os fundamentos do nosso conhecimento da língua e da cultura egípcias antigas. Champollion deu um passo crucial na compreensão da escrita egípcia antiga quando ele reuniu o alfabeto dos hieróglifos que foi usado para escrever os nomes dos governantes não egípcios. Ele anunciou sua descoberta, que se baseou na análise da Rosetta Stone e outros textos, em um artigo na Academie des Inscriptions et Belles Lettres de Paris, na sexta-feira, 27 de setembro de 1822. O público incluiu o seu rival inglês Thomas Young, que também foi Tentando decifrar hieróglifos egípcios.

Champollion inscreveu esta cópia do artigo publicado com hieróglifos alfabéticos que significam 'à mon ami Dubois' ('para meu amigo Dubois'). Champollion fez um segundo avanço crucial em 1824, percebendo que os sinais alfabéticos eram usados ​​não apenas para nomes estrangeiros, mas também para a língua e nomes egípcios. Juntamente com o conhecimento da língua copta, que derivou do egípcio antigo, isso permitiu que ele começasse a ler completamente as inscrições hieroglíficas.

O que a inscrição realmente diz?

A inscrição na Pedra de Rosetta é um decreto aprovado por um conselho de sacerdotes. É uma série que afirma o culto real do Ptolomeu V de 13 anos no primeiro aniversário de sua coroação (em 196 aC). Você pode ler a tradução completa aqui.

Em anos anteriores, a família dos Ptolomeus havia perdido o controle de certas partes do país. Levaram seus exércitos algum tempo para derrubar a oposição no Delta, e partes do sul do Alto Egito, em particular de Tebas, ainda não estavam sob o controle do governo. Antes da era ptolemaica, os decretos em hieróglifos como este geralmente eram estabelecidos pelo rei. Isso mostra o quanto as coisas mudaram desde tempos anteriores, que os sacerdotes, as únicas pessoas que mantiveram o conhecimento de escrever hieróglifos, agora estavam emitiendo tais decretos. A lista dos bons feitos do rei feito pelos templos é interessante. Insinua que esta era uma maneira para o faraó assegurar o apoio dos sacerdotes ao regime.

Onde está agora?

Depois que Stone foi enviado para a Inglaterra em fevereiro de 1802, foi apresentado ao Museu Britânico por George III em julho desse ano. A pedra de Rosetta e outras esculturas foram colocadas em estruturas temporárias nas áreas do museu porque os pisos não eram fortes o suficiente para suportar seu peso! Após um pedido ao Parlamento por fundos, os curadores começaram a construir uma nova galeria para abrigar essas aquisições.

A Rosetta Stone foi exibida no British Museum desde 1802, com apenas uma ruptura. No final da Primeira Guerra Mundial, em 1917, quando o Museu estava preocupado com o bombardeio pesado em Londres, eles o moviam em segurança junto com outros objetos "importantes" portáteis. O ícono icônico passou os próximos dois anos em uma estação na Estação Ferroviária Postal 50 pés abaixo do solo em Holborn.

Hoje, você pode ver a Rosetta Stone no Quarto 4 (a Galeria egípcia de escultura) e visitá-la remotamente no Google Street View. Você pode tocar uma réplica no Quarto 1 (a Galeria do Iluminismo). Você pode até explorá-lo em 3D com esta varredura: