Google+ Followers

terça-feira, 12 de setembro de 2017

A question of relevance. - Uma questão de relevância..

Cultural organisations have claimed for a long time to be ‘safe’ or ‘neutral’ places which do not get involved in politics and welcome everyone. However, more and more voices among culture professionals are questioning what “safe” and “neutral” actually mean. Does it mean that we should favor anodyne and meaningless narratives, afraid of being challenged and criticised for our views? Does “safe” actually mean “safe for us” rather than “safe for them”? Could it be that we would rather not bother and be bothered? Does “safe” rather mean “easy”?


There is no easy way to deal with life in society. Living in society, finding ways of sharing a common space and acting in it involves tension and history, art, science reflect this tension. This is why it must also have a place in cultural organisations. However, the question of when and how to take a stand is very pertinent. The danger of getting entangled in partisan politics and personal agendas is real. We do believe, though, that the Universal Declaration of Human Rights and most cultural organisations’ mission to promote understanding, dialogue, tolerance and respect, as well as much needed critical thinking, can provide the necessary guidance in making decisions. Should cultural organisations wish to remain relevant in people’s lives, can they remain silent in front of social injustices, intolerance, hate and discrimination?


In 2015, a number of US museum professionals and museum bloggers issued the “Museums respond to Ferguson” statement, questioning the role of cultural organisations, museums in particular, in promoting greater cultural and racial understanding. “New laws and policies will help, but any movement toward greater cultural and racial understanding and communication must be supported by our country’s cultural and educational infrastructure. Museums are a part of this educational and cultural network.” The movement did not manage to involve many museums and questions were raised whether this was not an issue that referred specifically to museums with African American collections or situated in the communities where black people had been shot by police. Was this not a reason for concern for citizens in every American community and everywhere in the world, considering that the US aspires to be the “leader of the free world”?


A major concern among culture professionals is whether taking a stand would alienate many people. Although we don’t believe that taking a stand is somehow riskier than remaining silent and irrelevant, it is worth looking at some examples of cultural organisations that have not lost people’s support for assuming their political responsibilities.


When in 2014 the Victoria and Albert Museum presented its new Rapid Response collecting programme, curator Corinna Gardner explained: “The Rapid Response gallery is about the museum looking outwards and engaging with topics that are in the news. It's an opportunity to think afresh and respond in a more agile way, rather than just buying more chairs." In that same year, the museum presented the exhibition “Disobedient objects”, the first to examine the powerful role of objects in movements for social change. Other organisations followed suit and it was particularly interesting to see how promptly some museums reacted to Women’s March protests last January, putting out calls for placards, photographs and objects. Glasgow Women’s Library was perhaps the first to receive a pink pussy hat.


In Europe, the House on Fire network brings together, since 2007, ten theatres and festivals which have pursued an international programming and co-production policy, conscious of the place culture may claim in the public debate about social, environmental and political issues, offering a valid source of knowledge and experience. More recently, political events such as the Brexit referendum and the US Presidential election made other theatres and professionals question their role.

In the UK, shortly after the referendum, the National Theatre was embarking on a major project to tell the story of modern Britain. The theatre conducted hundreds of interviews about life in the UK in different cities and towns, conscious, according to its Artistic Director, Rufus Norris, that “part of the rancour, the protest, was about the dominance of metropolitan, London-based voices telling us this is how we do things”, and that the National Theatre was at the heart of this metropolitan elite. "We've got to try to do what little we can to address the complete vote of no confidence in our system", Norris said. "I don't believe 17.5 million people are racists or idiots. I categorically don't. I think we've got to listen." The oral archive created has been the source used by playwrights to create new plays.

On the other side of the Atlantic, it took award-winning playwright Robert Schenkkan one week to write “Building the wall”. “We no longer live in a world that is business as usual - Trump has made that very clear - and if theatre is going to remain relevant, we must become faster to respond. We cannot hope to be useful if we can't respond until 18 months after the fact”, Schenkkan said. The first theatre to present the play was Fountain Theatre in Los Angeles, last March. "We had our season in place, with another production planned, but as soon as I read the script I knew we had to move fast”, said Artistic Director Stephen Sachs. It's a raw, passionate warning cry, and I knew we had to be bold and make this statement." Along the same line, Public Theater announced a new discussion series titled “Public Forum: A Well-Ordered Nation”, exploring what it means to be responsible citizens during a Donald Trump presidency.

Trump’s election caused many more reactions from cultural organisations. On the weekend right after the election, a number of museums invited people to visit in the hope that “visitors will explore the museum as a great and timely learning resource, especially our newly installed American Art galleries, which embrace an inclusive view of history and recognize the shifting demographics of our richly diverse country” (Brooklyn Museum). More cultural organisations made open statements against the President’s executive order banning citizens, as well as refugees, from seven Muslim-majority countries from entering the country (MoMA, Davis Museums at Wellesley College, Seattle Symphony Orchestra) or his plans to scrap funding for arts and humanities organisations.

The question is not anymore whether cultural organisations should take part in the political discussion. This would be like questioning whether cultural organisations should take part in life. The question, in our opinion, is whether they can react with the urgency required by certain events and, most of all, whether they can do it responsibly, efficiently, not with an opportunistic intent, but because they honestly wish to be places where people can come together and discuss, respectfully challenge each other’s views, reflect on the art of living together in society. Cultural organisations can and should be a place to resist barbarism and enjoy humanity.

"A question of Relevance" was originally published in August 2017 in Story, the Queensland Performing Arts Centre magazine, edited by Rebecca Lamoin as part of QPAC's learn strategy.





Cultura não é o que entra pelos olhos e ouvidos,
mas o que modifica o jeito de olhar e ouvir. 

A cultura e o amor devem estar juntos.
Vamos compartilhar.

Culture is not what enters the eyes and ears, 

but what modifies the way of looking and hearing.







--br via tradutor do google
Uma questão de relevância.

As organizações culturais reivindicaram por muito tempo serem lugares "seguros" ou "neutros" que não se envolvem na política e recebem todos. No entanto, mais e mais vozes entre profissionais da cultura estão questionando o que "seguro" e "neutro" significa realmente. Isso significa que devemos favorecer narrativas anódicas e sem sentido, medo de ser desafiadas e criticadas por nossos pontos de vista? O "seguro" realmente significa "seguro para nós" em vez de "seguro para eles"? Poderia ser que preferimos não incomodar e ser incomodados? O "seguro" significa "fácil"?

Não existe uma maneira fácil de lidar com a vida na sociedade. Vivendo na sociedade, encontrar maneiras de compartilhar um espaço comum e agir nela envolve tensão e história, a arte, a ciência refletem essa tensão. É por isso que também deve ter um lugar nas organizações culturais. No entanto, a questão de quando e como tomar uma posição é muito pertinente. O perigo de ficar enredado em políticas partidárias e agendas pessoais é real. Acreditamos, no entanto, que a Declaração Universal dos Direitos Humanos e a missão das organizações mais culturais para promover a compreensão, o diálogo, a tolerância e o respeito, bem como o pensamento crítico necessário, podem fornecer a orientação necessária para a tomada de decisões. As organizações culturais desejam permanecer relevantes na vida das pessoas, podem permanecer em silêncio diante das injustiças sociais, da intolerância, do ódio e da discriminação?

Em 2015, vários profissionais dos museus dos EUA e blogueiros de museus emitiram a declaração "Museus respondem a Ferguson", questionando o papel das organizações culturais, os museus em particular, na promoção de uma maior compreensão cultural e racial. "Novas leis e políticas ajudarão, mas qualquer movimento em direção a uma maior compreensão e comunicação cultural e racial deve ser apoiado pela infra-estrutura cultural e educacional do nosso país. Os museus fazem parte desta rede educacional e cultural. "O movimento não conseguiu envolver muitos museus e questões foram levantadas se este não era um problema que se referia especificamente aos museus com coleções afro-americanas ou situado nas comunidades onde os negros tinham sido tiro pela polícia. Isso não era motivo de preocupação para os cidadãos em todas as comunidades americanas e em todo o mundo, considerando que os EUA aspiram a ser o "líder do mundo livre"?

Uma grande preocupação entre os profissionais da cultura é se tomar uma posição alienar muitas pessoas. Embora não acreditemos que tomar uma posição é de alguma forma mais arriscado do que permanecer em silêncio e irrelevante, vale a pena olhar para alguns exemplos de organizações culturais que não perderam o apoio das pessoas para assumir suas responsabilidades políticas.

Quando, em 2014, o Museu Victoria e Albert apresentou o seu novo programa de coleta de Resposta Rápida, a curadora Corinna Gardner explicou: "A galeria da Rapid Response é sobre o museu olhando para o exterior e envolvendo tópicos que estão nas notícias. É uma oportunidade de pensar de novo e responder de forma mais ágil, ao invés de apenas comprar mais cadeiras ". Nesse mesmo ano, o museu apresentou a exposição" Objetos desobedientes ", a primeira a examinar o poderoso papel dos objetos em movimentos sociais. As outras organizações seguiram o exemplo e foi particularmente interessante ver a rapidez com que alguns museus reagiram aos protestos da Marcha Feminina em janeiro passado, lançando pedidos de pancartas, fotografias e objetos. A Biblioteca de Mulheres de Glasgow foi talvez a primeira a receber um chapéu de gatinha cor-de-rosa.

Na Europa, a rede House on Fire reúne, desde 2007, dez teatros e festivais que seguiram uma política internacional de programação e co-produção, conscientes da cultura do lugar que podem reivindicar no debate público sobre questões sociais, ambientais e políticas, oferecendo uma fonte válida de conhecimento e experiência. Mais recentemente, eventos políticos como o referendo Brexit e as eleições presidenciais dos EUA fizeram outros teatros e profissionais questionarem seu papel.

No Reino Unido, pouco depois do referendo, o Teatro Nacional estava iniciando um grande projeto para contar a história da Bretanha moderna. O teatro realizou centenas de entrevistas sobre a vida no Reino Unido em diferentes cidades e cidades, consciente, de acordo com seu diretor artístico, Rufus Norris, de que "parte do rancor, o protesto, era sobre o domínio das vozes metropolitanas e londrinas nós é assim que fazemos coisas ", e que o Teatro Nacional foi o coração desta elite metropolitana. "Nós temos que tentar fazer o pouco que podemos para resolver o voto completo de confiança em nosso sistema", disse Norris. "Eu não acredito que 17,5 milhões de pessoas são racistas ou idiotas. Eu categoricamente não. Eu acho que temos que ouvir". O arquivo oral criado foi a fonte usada por dramaturgos para criar novas peças.

Do outro lado do Atlântico, o dramaturgo premiado Robert Schenkkan levou uma semana a escrever "Construindo a parede". "Nós não vivemos mais em um mundo que é um negócio como de costume - Trump deixou isso muito claro - e se o teatro permanecerá relevante, devemos nos tornar mais rápidos para responder. Não podemos esperar ser úteis se não pudermos responder até 18 meses após o fato ", disse Schenkkan. O primeiro teatro a apresentar a peça foi Fountain Theatre em Los Angeles, em março passado. "Tivemos nossa temporada no local, com outra produção planejada, mas, assim que li o roteiro, soube que precisamos nos mover rápido", disse o diretor artístico Stephen Sachs. É um grito de advertência cruas e apaixonado e eu sabia que devíamos seja ousado e faça esta declaração ". Na mesma linha, Public Theatre anunciou uma nova série de discussão intitulada "Fórum público: uma nação bem ordenada", explorando o que significa ser cidadão responsável durante uma presidência de Donald Trump.

A eleição de Trump causou muitas mais reações de organizações culturais. No fim de semana, logo após as eleições, vários museus convidaram as pessoas para visitar com a esperança de que "os visitantes explorarão o museu como um recurso de aprendizado ótimo e oportuno, especialmente nossas galerias de arte americana recém-instaladas, que abraçam uma visão inclusiva da história e reconheça a mudança demográfica do nosso país ricamente diversificado "(Brooklyn Museum). Mais organizações culturais fizeram declarações abertas contra a ordem executiva do presidente, que proibia os cidadãos, bem como os refugiados, de sete países com maioria muçulmana de entrar no país (MoMA, Davis Museums no Wellesley College, Orquestra Sinfônica de Seattle) ou seus planos de retirar fundos para as artes e organizações de humanidades.

A questão não é mais se as organizações culturais devem participar da discussão política. Isso seria como questionar se organizações culturais deveriam participar da vida. A questão, em nossa opinião, é se eles podem reagir com a urgência exigida por certos eventos e, acima de tudo, se eles podem fazê-lo de forma responsável, eficiente, não com uma intenção oportunista, mas porque honestamente desejam ser lugares onde as pessoas podem se juntar e discutir, desafiar respeitosamente os pontos de vista uns dos outros, refletir sobre a arte de viver juntos na sociedade. As organizações culturais podem e devem ser um lugar para resistir à barbárie e desfrutar a humanidade.

"Uma questão de Relevância" foi originalmente publicada em agosto de 2017 em Story, a revista Queensland Performing Arts Center, editada por Rebecca Lamoin como parte da estratégia de aprendizado da QPAC.



-nota do autor
O meu artigo "A question of relevance" foi publicado em Agosto 2017 em Story, a revista do Queensland Performing Arts Centre, integrada na sua estratégia de educação e editada por Rebecca Lamoin. Nesta edição, procura-se olhar para o conceito de resistência no sector cultural a partir de múltiplos pontos de vista e a propósito da programação Jul - Dez do QPAC.

Nenhum comentário:

Postar um comentário